Há uns anos atrás, os senhores Fred Archar e Ansel Adams cunharam o Sistema de Zonas. O que estes senhores fizeram foi oferecer ao mundo um método para avaliar a luz e decidir a exposição de uma forma controlada.

Na realidade vai muito além disto, incluindo alterações ao processo de revelação para compensação de contraste e outros passos mais complexos, mas a minha parca compreensão do método ainda não chegou a esses temas.

E por achar que a minha fotografia não tem problemas que cheguem, optei por um mergulho de cabeça dentro da piscina que é a medição pontual e o sistema de zonas. Aparentemente não é o bicho de 7 cabeças que sempre me contaram ser. Não que seja super simples, mas aparenta ser acessível o suficiente para convidar a experimentação.

Nestes dias iniciais a grande dificuldade tem sido escolher o ponto da imagem a medir e identificar a zona onde colocar essa medição. Felizmente o filme negativo tem uma grande latitude, o que permite sempre algumas correcções depois do acto fotográfico. 

As impressões inicial são fantásticas. As minhas expectativas relativamente às exposições foram amplamente ultrapassadas. Depois de algumas experiências menos conseguidas com medidores de luz incidente e reflectida, principalmente em paisagens, foi entusiasmante experimentar outras formas de medir uma exposição com algum grau de sucesso.

Gradualmente as imagens produzidas se estão a aproximar do idealizado no momento do acto fotográfico. E por isso mesmo, o tempo e dinheiro investidos na minha aprendizagem do sistema de zonas já vale a pena. Continuo a ter dificuldades em distinguir uma zona II duma III, mas com tempo e alguma perseverança estas questões irão sendo respondidas. 

Agora é praticar, praticar, praticar.

Para quem estiver interessado, estas são alguns dos artigos / vídeos onde podem obter informação sobre o sistema de zonas numa perspectiva simples e prática:




Hasselblad 500 CM | Carl Zeiss Distagon 50mm f4 C | Ilford FP4 125
50mm | ISO 100
Pyrocat HD 1+1+100 | 2 inversões a cada 4 minutos | 18 minutos a 21ºC



Hasselblad 500 CM | Carl Zeiss Distagon 50mm f4 C | Ilford FP4 125
50mm | ISO 100
Pyrocat HD 1+1+100 | 2 inversões a cada 4 minutos | 18 minutos a 21ºC


Hasselblad 500 CM | Carl Zeiss Distagon 50mm f4 C | Ilford FP4 125
50mm | ISO 100
Pyrocat HD 1+1+100 | 2 inversões a cada 4 minutos | 18 minutos a 21ºC


Hasselblad 500 CM | Carl Zeiss Distagon 50mm f4 C | Ilford FP4 125
50mm | ISO 100
Pyrocat HD 1+1+100 | 2 inversões a cada 4 minutos | 18 minutos a 21ºC


Hasselblad 500 CM | Carl Zeiss Distagon 50mm f4 C | Ilford FP4 125
50mm | ISO 100
Pyrocat HD 1+1+100 | 2 inversões a cada 4 minutos | 18 minutos a 21ºC


Hasselblad 500 CM | Carl Zeiss Distagon 50mm f4 C | Ilford FP4 125
50mm | ISO 100
Pyrocat HD 1+1+100 | 2 inversões a cada 4 minutos | 18 minutos a 21ºC


Hasselblad 500 CM | Carl Zeiss Distagon 50mm f4 C | Ilford FP4 125
50mm | ISO 100
Pyrocat HD 1+1+100 | 2 inversões a cada 4 minutos | 18 minutos a 21ºC


Hasselblad 500 CM | Carl Zeiss Distagon 50mm f4 C | Ilford FP4 125
50mm | ISO 100
Pyrocat HD 1+1+100 | 2 inversões a cada 4 minutos | 18 minutos a 21ºC

Copyright © Rui Pedro Esteves 2016 Direitos Reservados

0 Comentários: