Finalmente chegou a máquina das máquinas, o pináculo dos 35mm, a apogeu da tecnologia!

Bom... se calhar não é bem assim, mas para o meu orçamento, sem dúvidas que é.

Depois de algum namoro, finalmente consegui comprar uma Voigtlander Bessa R3a. Desde que experimentei uma rangefinder, sobre a forma de uma Yashica Electro 35 GS, que fiquei apaixonado pelo tipo de câmara. É a simplicidade no seu esplendor.

Não foi propriamente simples. Em Portugal o representante da Voigtlander é a Niobo. As minhas experiências com esta loja têm sido variadas, e esta também não foi brilhante. Resumindo a história, primeiro a R3a estava no site, depois já não era possível, depois a R3m demorava 10 a 12 dias, depois só em Abril é que se podia dar uma previsão. No final de duas semanas disto, cancelei a máquina (mas mantive a objectiva encomendada) e falei com o representante em Espanha, a Fotocasion. Cinco dias depois tinha a máquina que queria em casa.

E porquê a R3a e não outra qualquer? Simples, porque queria algo com controlos manuais e também com prioridade de abertura e a R3a tem um viewfinder único em rangefinders. O seu viewfinder tem uma ampliação de 1, tornando a imagem do mesmo tamanho que o ser humano vê. E, mesmo tendo a máquina à poucos dias, digo-vos que é fantástico.

Agora é usá-la, gozá-la e divertir-me no processo.

Olympus EP1 | Meyer-Optik Lydith 30mm f3.5
30mm | ISO 200 | 1/125

Copyright © Rui Pedro Esteves 2015 Direitos Reservados

0 Comentários: