A Lua tem inspirado inúmeras gerações de homens e mulheres de cabeça erguida para os céus. Provavelmente desde que saímos do caldo primordial que olhamos para cima em noites de Lua cheia e imaginamos musica, poemas e histórias de encantar.

Nesta ultima peregrinação às terras que brotaram as raízes da família da minha cara metade decidi viajar com apenas os mínimos. Em termos de fotografia isso significa uma máquina e uma lente apenas. No caso uma 19mm (equivalente a 38mm). Não me ocorreu que poderia estar Lua cheia. Acontece que a zona é tão isolada, que mesmo no meio da povoação, a falta de poluição luminosa e a visibilidade é tal que o luar ilumina mais que os míseros candeeiros de rua.

Felizmente havia um telescópio disponível e com algum malabarismo lá se conseguiu uma ou outra foto do nosso satélite favorito.

Eis a minha contribuição (edição de 2014) para um dos clichês mais famosos da fotografia.

Olympus EP1 | Sigma 19mm f2.8 DN
19mm | ISO 400 | f2.8 | 1/400

Copyright © Rui Pedro Esteves 2014 Direitos Reservados

0 Comentários: