Continuando com o tema dos últimos artigos (ApresentaçãoMetro), hoje o tema são as pessoas. Os passageiros do Metro e Carris que, tal como eu, aproveitam a rede de transportes públicos de Lisboa possui.

Felizmente a esmagadora maioria dos passageiros do Metro foram fantásticos e não se importaram com a presença de 300 entusiastas de máquina e tripé em riste espalhados por todo o lado. Evidente que existiram algumas excepções que não apreciaram a iniciativa, mas na globalidade correu tudo lindamente.

Pessoalmente fui abordado por vários passageiros, mas por estarem curiosos com a nossa presença e não por descontentamento. Estava à espera de encontrar mais oposição à fotografia, mas apenas assisti a uma situação de conflito. E, curiosamente ou não, foi quase uma caricatura deste tipo de situações.

O fotógrafo em questão estava a fazer umas experiências com escadas rolantes quando um passageiro o aborda com um discurso bem agressivo. Este senhor começa por argumentar que o que o fotógrafo estava a fazer era ilegal e que lhe poderia indicar os artigos da lei onde isso estava descrito.

A esta altura o fotógrafo mostra-lhe o que tinha feito, e visto serem longas exposições, as pessoas não passavam de vultos e eram irreconhecíveis. Mesmo assim ele ofereceu-se para apagar a fotografia. O senhor passageiro voltou a reforçar a ilegalidade da acção, mas virou as costas e foi à sua vida, sem sequer indicar se queria apagar a fotografia ou não.

Isto não aconteceu comigo, mas poderia ter sido. Não seria a primeira vez nem a última certamente.

O que me deixa perplexo é que quando um retratado reclama que não autorizou a fotografia raramente pede que esta seja apagada. É reclamar por reclamar, raramente o fazem para atingir um fim. Então porque o fazem? Só para estragar o dia ao fotógrafo? Porque estão a descarregar as frustrações diárias?

No fim do dia estas são as mesmas pessoas que quando vêm um miúdo a ser assaltado no Metro ou na paragem do autocarro olham para o lado e assobiam. Se calhar não sabem que é ilegal, imoral e perigoso.

Claro que falo da minha experiência, a de outros poderá ser diferente.

Tendo dito isto, a maioria dos passageiros foram fantásticos e a eles deixo os meus agradecimentos. Lamentavelmente as minhas fotos não lhes fizeram justiça, mas seguem as melhor tentativas.


Canon 1100D | Samyang 8mm f3.5
8mm | ISO 800 | 1/15




Canon 1100D | Helios 44-2 58mm f2
58mm | ISO 100 | 2.5s


Canon 1100D | Helios 44-2 58mm f2
58mm | ISO 800 | 1/13

Copyright © Rui Pedro Esteves 2014 Direitos Reservados

0 Comentários: